/SOUGAY

/SOUGAY

Gay. Post por post.

You can scroll the shelf using and keys

夏はいろいろです ほんとに.

08/11/2010 , , ,

“Natsu wa iro iro dessu hontoni”. O verão realmente é diferente.

O ano era 1997. Era verão, e estava de férias no litoral do Paraná. Do alto dos meus 9 anos de idade, estava junto com outras crianças, participando daqueles programas recreativos que os hotéis oferecem, como um alento aos pais à procura de alguma tranquilidade.

E lá estava aquele garoto. Lindo. Cabelos pretos e curtos. Linhas do rosto ao mesmo tempo angulosas e delicadas. Proporções. Devia ter uns 10 ou 11 anos. No deque da praia, eu estava a conversar com um amigo, recém conhecido. Mas meu olhar frequentemente se virava para o outro garoto, e se desviava, tão logo este percebesse a minha “secada”.

Acabei tornando-me amigo do garoto lindo, também. Meu peito doía só de estar perto daquele menino. E não era um sentimento maduro, apelativo, sexual. Era algo puro, uma sensação inédita, sem explicações ou justificativas. Algo inocente que apenas vinha à tona, como uma vontade incontrolável de sempre ficar por perto dele.

Foram sete dias sentindo essa coisa. Sete dias felizes. Que acabaram.

Na viagem de volta, eu deitado no banco de trás do carro, só pensando naqueles olhos castanhos, naquele nariz pontiagudo e naquela boca de dentes perfeitos. Lembro das músicas que tocavam no rádio toca-fitas, e que teceram um pano de fundo para aquele momento (uma delas está no fim deste post). Estava anestesiado. Perdido. E com uma tristeza incomum, ao pensar que nunca mais iria revê-lo.

Aquilo foi muito estranho. Pela primeira vez na vida, tinha me apaixonado. E por um garoto! Fiquei muito confuso. Até me convenci de que aquilo nem era paixão. Era apenas um apreço muito grande por um amiguinho de praia.

Mas hoje eu sei que aquilo era muito mais do que isso. Tanto é que, agora, é só isso que eu quero. Um amor inocente, espontâneo, que me faça ficar aflito no banco de trás do carro.

A música a seguir chama-se “夏八景” (Natsu Hakkei), de Megumi Asaoka.

Advertisements

Nem pense em sair daqui, sem comentar!

Please keep your comments polite and on-topic.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

comments

Amor espontâneo até vai, e até torço muito por isso. mas amor inocente eu não creio que exista. Não entre adultos XD.

Um beijo SG!

Lobo

08/11/2010

Concordo em gênero, número e grau contigo, Lobo. Na verdade, não é um querer. É mais um “sonhar”. Já passou o momento “nas nuvens”. Meus pés já estão no chão!

Beijo!

SG

08/11/2010

Gente, é só você estar aberto à possibilidades. Não existe ‘procurar’ por isso.

Acho que você já está fazendo ótimo. Faz um tempo que não aquele post chorandinho :).

Beijão

Gui

08/11/2010

Aiai! Boas lembranças! Eu nessa época era apaixonadinho por uma menina. Levei um fora! haahahahaha

Tar

08/11/2010

Como o Tar, esse tipo de paixao q vc teve por esse menino eu tive por uma menina hehehe. Mas vc se apaixonou msm, lembra até as músicas.

garoto do interior

10/11/2010