/SOUGAY

/SOUGAY

Gay. Post por post.

You can scroll the shelf using and keys

Soneca vespertina.

24/11/2010 , ,

Tinha ido à biblioteca da facul, tentar estudar um pouco, logo depois do almoço. Fiquei por lá até umas três e meia da tarde, e fui pra casa. Tirei os tênis, joguei os materiais de estudo sobre a cama e fui pra sala.

Peguei uma revista, comecei a ler e… adormeci. Numa tarde úmida e calorenta. E sempre que tiro uma soneca razoavelmente longa, de duas a três horas de duração, tenho sonhos estranhos. São sonhos diferentes daqueles que tenho durante a noite regular, porque, logo depois de despertar da soneca vespertina, eu consigo me lembrar de boa parte das passagens do sonho.

Despertei. Olhei o relógio da cozinha: 19:30. Catei um papel e uma caneta, e fui escrevendo, na ordem em que me lembrava, as partes do sonho estranho.

Estava no computador, especificamente, acessando o YouTube. Assistia a um filme de Godzilla, ouvindo a música Mothra Song, relembrando uma cena que havia visto há mais de dez anos. Do nada, o cenário muda, e estou em Taipei, capital de Taiwan. Há um terremoto, mas, curiosamente, as pessoas não se dão conta e ficam a indagar-se qual a razão de toda a balbúrdia. Aí, um sujeito, super esperto, diz:

– Estamos perto do Japão, da China e da Indonésia. Há terremotos nesses locais. É bem provável que isso esteja acontecendo por aqui.

A cena muda de novo. Eu e um outro homem estamos num grande salão envidraçado, no alto de um prédio, com vista para o mar. Está lotado de gente. À mesa, análoga à da Santa Ceia, repleta de comidas apetitosas, uns dez sujeitos trajados estranhamente, como se fizessem parte de um concílio. Eram autoridades. O líder disse palavras pesadas, esclarecendo toda a situação crítica do momento.

– A comida vai acabar. Esta é a última ceia. Só poderão comer aqueles que couberem à mesa.

Todos se rumaram afobadamente para sentarem-se à mesa, como naquele jogo da dança das cadeiras. Consegui me sentar. Mas o protagonista fica em pé, olhando o mar e a grande ponte que liga a ilha ao continente. O líder do concílio indaga-lhe:

– Não virá sentar-se para comer?

O protagonista responde:

– Não. Acabei de arranjar um excelente emprego em Kyoto. Ganharei bem. E lá, terei muita comida para comer.

Nisso, a ponte desaba. O líder diz, calmamente:

– Receio que, agora, você terá de se juntar a nós, e aproveitar esta comida…

A cena muda, repentinamente. Estou em um ferry-boat, a bordo de um carro branco, como passageiro. O motorista entrega o passaporte quando da entrada na balsa, de um lado da travessia. Misteriosamente, o documento passava para o outro lado, e caía nas mãos de um outro oficial, que nos espera na chegada. Ele devolve o passaporte sempre ao passageiro, e este é que tem o dever de restituí-la ao seu portador.

Outra mudança de cenário. Agora estou em um cinema, assistindo a um romance ambientado também em Taipei, na mesma situação de terremoto anterior. Estava acompanhado de uns amigos, que se sentaram na fileira de trás. Ao meu lado, uma garota, que, supostamente, seria a minha paquera. Ficava com o braço direito esticado, repousado no encosto da poltrona vizinha. E a garota, sempre querendo se distanciar.

Meus amigos, percebendo que eu estava sendo incisivo, e ela, evasiva, disseram qualquer coisa para insinuar e deixar explícita a situação. Fico com vergonha. Depois, eles me oferecem um doce em formato de flor-de-lótus, igual àquela do filme Percy Jackson e o Ladrão de Raios.

Numa das cenas do filme romântico taiwanês, em clima de terremoto, e estrelado por Julianne Moore e um ator americano qualquer, houve um pequeno diálogo, quando ambos estão à deriva, num pequeno barco. Segurando um relógio de ouro, ele diz:

– Dizem que um relógio de ouro sueco nunca se enferruja, não é?

Julianne Moore responde:

– Que tipo de relógio? Do tipo… sólido!

Aí, eu acordei.

___________________________________________________________________________________________

Advertisements

Nem pense em sair daqui, sem comentar!

Please keep your comments polite and on-topic.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

comments

Freud, Jung e muitos dos pais da psicologia e psicanalise fazem análises de sonhos.

Qdo vc falou do terremoto em Taipei, logo me veio a mente a grande alienação geral …

2 semestres de psicologia nao me autorizam grandes análises …

BsVox

24/11/2010

No seu sonho o filme era romantico, mas o seu sonho daria um ótimo filme de ficção científica e de teorias da conspiração. Hahaha. Abraços SG.

garoto do interior

24/11/2010

Huahuahau!

SG

24/11/2010

Sonho bem Inception (A Origem), esse seu.

Thiago

24/11/2010

Agora, fiquei curioso em assistir a esse filme!

SG

24/11/2010

Leva prum psicólogo, quem sabe ele não te diz alguma coisa?

Quanto a mim? Adoro o nonsense que os sonhos nos proporcionam XD.

Um beijo SG!

Lobo

24/11/2010

Sonhos sonhos sonhos… Quer o meu livro pra saber a interpretação?

loveandglamour

24/11/2010

O que mais me intrigou nessa história toda foi como você conseguiu lembrar de tudo isso com riqueza de detalhes… parece mesmo um filme de ficção científica… kkkkkkkk Gostei da história, nas mãos de um bom cineasta viraria líder de bilheteria!!!

Um beijo… Até o próximo

Júlio César Vanelis

24/11/2010

Huahuahauah!

No máximo, daria um daqueles filmes sem sentido, que todo mundo dorme na metade.

SG

24/11/2010