/SOUGAY

/SOUGAY

Gay. Post por post.

You can scroll the shelf using and keys

Prefiro comida italiana. Ou espanhola. Ou portuguesa…

21/12/2010 , ,

Hummmmm...

Vejo as namoradas dos meus primos. Todas orientais. Vejo as namoradas do meu irmão (não simultâneas, diga-se de passagem!): se não eram “japonesas”, eram mestiças. E aí, analiso o meu gosto pessoal: gosto apenas de gaijins!

Gaijin significa “estrangeiro”, em japonês. Traduzindo teleologicamente, significa alguém que não tenha ascendência japonesa (ou oriental, vez que o Brasil também abriga chineses e coreanos).

Pois então. Sempre preferi homens “brasileiros” (como se eu não fosse…). Todos os amoricos do colégio, as imagens mais picantes e os filminhos de sacanagem da internet, eram ocidentais…

E às vezes isso me deixa um pouco boladão. Será que há algo errado comigo? Afinal, eu sou oriental. E não sentir-se tão atraído por um asiático seria algo um tanto… contraditório… sei lá. Sinto que isso, de alguma forma, me impede de me sentir atraente…

Realmente, não sei. Só sei que, entre uma pizza e um yakissoba, pratos esses muito gostosos, sou muito mais a pizza… ou uma paella… ou um crocante e cremoso bolinho de bacalhau com muito azeite…

Muitos me dizem que sou japonês só por fora. Porque meus gostos são totalmente ocidentais. Adoro farinha de mandioca. Amo moqueca capixaba. Sou viciado em pimenta. Descobri a delícia que é o homus (tá, isso não é ocidental, mas é do Oriente Médio, então, vale também). Sou doido por nachos. E amante incondicional do arroz com feijão. Nunca fui viciado em mangás ou animês. Aprendi (pouco) a língua japonesa porque meu pai acabou me matriculando na escolinha, sem eu saber. A única coisa interior que realmente é oriental é o meu gosto musical (que por sinal, é bastante eclética). E só.

Acho interessante e muito rica a cultura japonesa. Mas, sabe quando não é algo que te dá aquele brilho tão cintilante nos olhos? Porque, por exemplo, quando vou ao Festival Nipo Brasileiro, que ocorre aqui na cidade anualmente, e fico vendo os bonsais, origamis, ikebanas, roupas típicas… não sinto um interesse desmedido. E, quando penso em um cara lindo de morrer, me vem à cabeça o Evan Wadle. E quando penso na comida que gostaria de comer antes de perder o paladar permanentemente, me passa pela cabeça (e pela língua) o sabor de todas as delícias da culinária italiana, brasileira, espanhola, portuguesa… Talvez a cultura nipônica não se mostra tão exótica e cativante para mim, vez que tive contato com ela desde que nasci.

O que eu posso concluir de tudo isso é que a etnia não define aquilo que você é. Na aparência, sim. Eu tenho olhos puxados. Mas, aqui dentro, o que define, mesmo, é o meio em que se vive. E, levando-se em conta aquilo que eu vivi e gostei de ter vivido, aqui dentro, sou 15% japonês. E 85% brasileiro.

Advertisements

Nem pense em sair daqui, sem comentar!

Please keep your comments polite and on-topic.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

comments

Eu gostei muito de yakissoba, mas nem tanto de sushi. Eu acho a cultura nipônica muito interessante, mas meu gosto pra homem também é brasileiro/europeu.

Gui

21/12/2010

Aaaaaa…

Agora fiquei aborrecido…

Hhuahauhauahua

Brincadeira.

SG

21/12/2010

Não fique! Abro exceções! (6)

Gui

22/12/2010

Olá! Te mandei um email, recebeu?

Opa! Recebi sim! E já respondi!

SG

21/12/2010

Ah, essa coisa de gosto é complicada… quem sabe um dia, quando conseguir se decifrar se isso é genético, se é determinado pelo ambiente, onde que fica, e como ativa, tenhamos algumas respostas pra isso hahaha

Enquanto isso a gente segue o coração XD

Um beijo SG

Lobo

21/12/2010

Esse lance é complicadíssimo… Eu acho que gosto é involuntário. Lógico, de certa forma, não não temos como modular tudo aquilo que nos influencia. Vc nasceu e viveu toda a sua vida no Brasil, apesar de estar numa familia de origem japonesa. É inevitável vc se interessar por tipos brasileiros. E isso não é contraditório, pelo contrário, é normal (ou será que vc queria ficar excitado com você mesmo nu?). Eu, perticularmente, não sou de me ligar em aparencia para escolehr um homem. Acredito que outras coisas valem mais. Mas assim, é claro que tem aqueles tipos que você tende a olhar mais, não é?? Eu tenho uma queda por loiros e ruivos. Mas eu sou moreno claro, o mais próximo que eu cheguei de loiro foi ter descolorido o cabelo aos treze anos em um momento de loucura (kkkk). Mas enfim (ufa), essa parada de gostar mais de outras etnias acontece muito, ainda mais aqui no Brasil, onde temos tudo a nossa disposição…

Um beijo SG… Até o próximo

Júlio César Vanelis

21/12/2010

Atualmente eu estou “curtindo” todas as etnias, alguns detalhes como traços do rosto e outros detalhes míseros eu sou um pouco exigente, mas no meu nível de carência acho que até o mendigo na rua eu pegava.
Que coisa horrível!

Bacio!

Thiago

21/12/2010

Acho a comida japonesa tão refinada. Na verdade, não é a minha preferida, sou muito mais minhas delícias apimentadas, mas todas as comidas possuem suas qualidades. Não vou negar que nunca me interessei por mangas e animes, na verdade entendo pouco disso, mas que é uma coisa digna de prestígio, ninguém pode duvidar. Uma coisa que me atrai no Japão é o cinema. Adoro filmes japoneses, principalmente de terror e suspense. Filmes de artes marciais também, são muito belos. O japonês tem um charme sem igual, sem dizer na classe. Não conheço muito da música, mas as poucos que conheço não me agradaram. Talvez pela grande diferença de idiomas (Línguas neolatinas me atraem. O latim em si me atrai). Quanto à atração por japoneses: Nunca fiquei, namorei ou tive qualquer relação com nenhum, mas tenho vontade. Dia desses rolou um clima diferente com um rapaz recém chegado do Japão que conheci, mas ele fez um rolo lascado. Achei-o muito estranho, parecia perturbado. Não falava coisa com coisa e eu quase não entendia nada. Ele deu em cima de todo mundo e não apegou ninguém. Foi uma coisa realmente diferente. Anda com uma moto imensa pra cima e pra baixo. Cismou em me dar uma carona e aceitei. Que medo. Nunca corri tanto de moto. Acho que fez de propósito para que eu me agarrasse nele. Pintou o cabelo de vermelho. TENSO, mas eu gostei. Bateu em um carro e quebrou a perna. Uma comédia. Bem, acabei falando demais, como sempre. Acho que o meu problema é gostar de contar histórias e as vezes exagero. *Saindo vazado, rsrsrs… Tchaw

@MisterNeurotic

22/12/2010

nem avisa q tow linkado ne?
hehehe

assim, cá entre nós, acho um charme olhinhos puxados.

FOXX

22/12/2010

Nos meus 12 anos de vida gay, sempre me perguntei sobre esse gosto para homens … Houve momento que os analisei etnicamente e os classifiquei: Nunca fiquei com um oriental =( isso me frustou um pouco …

Engraçado! Meus avós tem três origens: Judeus, Italianos e Portugueses … Quase que me encaixei nos tres grupos citados …

O Tuti, meu namorado, é metade Espanhol, mas eu não poderei emprestá-lo! risos.

Qto a identificação do que se é, eu já tive momento que me sentia as minhas origens e como muitos negava minha verdadeira essência Brasileira.

Hoje, tenho plena consciência que sou mais Brasileiro do que Judeu, Italiano ou Portuguêsb … Sou o Sincretismo de tudo isso e muito mais … Para constar, hoje comida Japonesa é a minha favorita … Bjs

BsVox

27/12/2010