/SOUGAY

/SOUGAY

Gay. Post por post.

You can scroll the shelf using and keys

Confessionário.

21/02/2011

Pensei muito antes de publicar este post. Tanto é que ele estava pronto na minha cabeça desde o ano passado, mas ficou hibernando, até agora.

Sei que desapontarei muita gente com o que escrevo a seguir. Mas não consigo deixar de desabafar isso.

_____________________________________________________________________________________________________________________________

Eu errei. E feio.

Era outubro do ano passado.

Os leitores de memória mais aguçada se lembrarão de que, nessa época, meu namoro estava em crise… e eu, carente…

Não quero cair naquela justificativa chimbiquenta da carência, para fundamentar uma relação afetiva paralela. Fiz o que fiz consciente do que fazia.

Pois bem.

Em uma das vezes em que entrei no Messenger, um cara com o qual já havia saído, e que não o via há um tempão, puxa conversa. Aliás, é este aqui, o que me levou pela primeira vez à uma balada gay.

Conversamos.  Botamos as novidades em dia. E eis que ele me convida para assistir um filme em sua casa.

Pensei.

E aceitei o convite.

Como forma de punir meu ex que me deixava a ver navios, ao não dar notícias de vida.

Enfim.

Ele me buscou de carro. Ficamos em seu quarto, assistindo Resident Evil 3…

E lá fiquei até a manhã seguinte…

Isso se repetiu por mais algumas vezes. Ele era bonito, bem mais baixo do que eu e bastante carinhoso (Quase o oposto do meu ex, que também era bonito, mas tinha 1,90 de altura e não dava sinais de vida por semanas). Ficávamos nos beijando suave e longamente. Mas, sabe quando não rola o clima certo? Quando não há uma reciprocidade autêntica? Uma leveza indescritivelmente espontânea e que nos eleva?

Pois era disso que eu sentia falta. Porque sabia muito bem quem era a pessoa certa (?) para me proporcionar tudo isso.

E, da última vez que vi o meu “amante”, achei-o um tanto estranho, distante (mas acho que quem estava estranho e distante era eu). Ainda, logo na semana seguinte, meu então namorado combina de se encontrar comigo. E nós meio que reatamos as coisas… E nunca mais liguei para o outro. Nem mesmo mandei-lhe uma mensagem. O exclui da minha lista de contatos. Sumi da vida dele.

Não fui capaz de dizer que tudo tinha sido um erro. Que tudo o que tinha feito foi motivado por um sentimento infantil de vingança barata. O sexo. Os beijos. Os banhos juntos. Confesso que gostei. Mas não tiveram aquele significado que eu alegremente interpretava com quem eu realmente… (detesto dizer isto) amava. Acabei, portanto, fazendo a mesma canalhice que meu ex fez comigo. Fui cruel com quem não merecia. Desapontei. Entristeci.

Meu então namorado nunca soube sobre isso. E nem poderia. Afinal, ele continuava distante. Silente. Nos víamos num domingo, e só nos reencontrávamos duas, três semanas depois. E, nesse intervalo, sem notícias eu ficava. Acabei por levar um pé na bunda tácito, isto é, da pior maneira: sem chutes, palavras ou feições. Simplesmente com um silêncio. Com ausência. Com dúvidas.

Tive, pois, o que merecia.

Mas aprendi com esse meu erro. Por isso que, enquanto subsistir qualquer resquício da minha finada relação, ficarei parado, na minha, fechado para balanço. Inerte. Inofensivo.

E aí, quando eu sentir que estiver pronto, então, irei atrás de alguém com quem sentir uma leveza indescritivelmente espontânea.

Advertisements

Nem pense em sair daqui, sem comentar!

Please keep your comments polite and on-topic.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

comments

é
devia ter era terminado antes…

FOXX

21/02/2011

Como você lê meu blog atual e passou pelo finado, sabe as proezas que já fiz… Isso acontece, oq não quer dizer que seja certo, mas acontece!
A falta de atenção da pessoa amada é cruel, e ativa o lado animal do ser humano, que é de se defender ou contra-atacar!
O importante é saber quebrar o círculo vicioso e parar de descontar em quem não tem nada a ver com a história o sofrimento causado por outro (e esse conselho vai mais pra mim que pra vc)
Bjos!!!

Jean Borges

21/02/2011

Resident Evil 3? Como criar um clima vendo isso? Esperaria algo mais cult na verdade! hahaha
Brincadeiras a parte, deixo aqui o meu recado. Não adianta tentar ser quem você não é, mas isso não significa que eu aprove tua atitude. Fica a dica!

Tar

21/02/2011

Olha, SG, pra quem não merecia? Oi? Sou eu o único são aqui? Ele merecia não um, mas vários par de chifres. Mas não é porque alguém merece algo que iremos fazer.

Não te julgo nem estou decepcionado. Pelo contrário, estou orgulhoso, apesar de tudo, você reconheceu seu erro. Por mais que fosse um ‘erro em todos os modos certos possíveis’. Parabéns.

E não se prenda mais ao passado, o presente é tão mais gostoso.

Beijos

Gui

21/02/2011

Não achei nada de errado, afinal tudo aconteceu porque a relação de vocês não estava boa, seu “ex” deu oportunidades para tu fazer isso, afinal quem não dá assistência, perde para a concorrência…
Forte abraço!

Ro Fers

21/02/2011

Cada um sabe o que faz. Cada um sabe como a raiva, desejo de vingança e ciúmes o afetam. Os fins nunca justificam os meios, mas cada um com a sua consciência né?

Quem sou eu para julgar?

Lobo

21/02/2011

Vou te dizer uma coisa, cara… A fato de você estar tão incomodado com isso só demonstra que você foi o mais prejudicado com isso tudo. O seu namorado, na verdade, continuou ileso, não sofreu nada, por mais que a vongança tenha sido direcionada a ele. E quanto ao seu “amante”, ele pode ter sofrido com o seu distanciamento, ou não, isso você nunca vai ter certeza. A unica certeza que você sempre vai ter é de que, pra você, isso nunca terá valido a pena. Se pelo menos você só estivesse a fim de sexo, até valeria. Mas rolou esse sentimento de vingança. Mas isso foi bom cara, isso te ensinou a te valorizar mais… Da proxima vez, você não vai cometer o mesmo erro…

Um abraço, cara… Até o próximo

Júlio César Vanelis

21/02/2011

Resident Evil 3? Como criar um clima vendo isso? [2] =D

Sinceramente? Acho que vc foi tantinho sacaninha sim… Mas isto não te faz o pior ser do mundo.

É fato: todo mundo foi escroto um dia, ou será ou pelo menos sempre pode cometer um erro. O clichê de que ninguém é perfeito.

E a culpa ta aí pra isso, para nos fazer rever nossas ações e, esperamos, não repetí-las no futuro.

Relaxa, rapaz! Não acho que ninguém ficará decepcionado contigo!

Um xêro!

in.Constante

21/02/2011

Estou por fora da história do seu ex-boyfriend. Irei ler. Por enquanto, assino embaixo no que o Júlio disse. Essa sensação de que: “ah, mas com ele não rolou aquele estalo” é puro placebo criado pela sua mente enquanto você ainda estava “apaixonado” ou como eu prefiro pensar “arrependido”.

Thiago

21/02/2011