/SOUGAY

/SOUGAY

Gay. Post por post.

You can scroll the shelf using and keys

Shy, shy, shy…

01/03/2011

Eu sei que muitos de vocês não têm problema algum com timidez. Digo timidez mesmo. Aquela que trava todas as articulações do corpo, da cabeça até o dedão do pé.

E como eu tenho inveja dos extrovertidos!

Meu irmão, por exemplo. Exemplo de extroversão. Se recebesse votos de todos os seus amigos do orkut e do Facebook, dependendo do partido que se afiliasse, seria eleito vereador! Não faz nem um mês que ele vai à academia que frequento, e já tornou-se amigo de todos os professores (inclusive de um que, pelamordedeus… aiaiai…), da secretária, da zeladora, e de metade dos outros alunos.

Eu, em contrapartida, malho por lá desde janeiro de 2008, e apenas troco cumprimentos modestos e breves conversas.

Sim. A culpa é toda minha. Fico sempre com a cara fechada, com fones no ouvido, concentrado nos exercícios e, durante os intervalos entre as séries, mexendo no iPod ou tomando água. Sei lá. Eu ainda acho que o fato de eu ser japonês contribui ainda mais para que as pessoas tenham receio de conversar comigo. Parece que eu, de surpresa, poderia tirar uma espada da minha bermuda e cortar o braço de alguém.

Já fui bem pior do que isso. Quando criança, eu era um legítimo bacuri da roça. Lembro que, na época em que morei em Campo Grande, na festinha de aniversário dos meus cinco anos, meus padrinhos contrataram um palhaço, para divertir a criançada. E ele chamava várias crianças para participar das traquinagens. Quando chegou a minha vez, fiquei é sentadinho no meu banquinho, bem miudinho, com um bolinho de bacalhau na mão esquerda, e um palito de dentes na direita, me negando a participar de qualquer palhaçada.

O curioso é que a timidez aparece apenas em situações específicas: em ambientes desconhecidos, quando nos encontramos com gente desconhecida… Nas ocasiões em que conheço as pessoas, e onde o ambiente é-me familiar, sou até espalhafatoso demais.

Em outra ocasião, ainda em Campo Grande, fomos ao shopping comprar um mocassim. Esse calçado era para compor uma fantasia de pirata que minha tia estava fazendo para mim e para meu primo. Me recusei a experimentar aquele mocassim. Era horrível! Estava com tanta vergonha em calçar aquele troço, que acabei fazendo uma presepada ainda maior, chorando e gritando que não queria usar aquela coisa. Fui carregado para fora da loja, pelo meu tio. Minha tia veio atrás, com o sapato na sacola.

Naquela noite, estávamos eu e meu primo, vestidos de piratas, com direito a espadas, tapa-olho e lenços na cabeça, correndo e gritando pelas dependências recreativas do prédio, juntos com outras crianças, em busca de um tesouro imaginário escondido.

Não sei o que acontece comigo. Em casa, com meus irmãos, ou quando saio com meus primos ou com meus amigos mais próximos, consigo ficar bem à vontade. Dou gargalhadas altas. Falo pelos cotovelos. Faço caretas. Danço como um songomongo. Canto no chuveiro, com direito a falsetes e vibratto! Mas, quando vou numa balada, ou quando me deparo com um carinha gostosíssimo na academia, “afemaria”… não sei como é que nenhum cachorro veio mijar no meu pé, me confundindo com um poste apagado.

Tanta gente por aí que consegue saltar de paraquedas, correr uma maratona, escalar o Aconcágua, pilotar um Boeing…

Eu só quero perder a timidez! É muito?

Advertisements

Nem pense em sair daqui, sem comentar!

Please keep your comments polite and on-topic.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

comments

Bem, com o tempo vc melhora… Com certeza o curso de graduação deve ter te ajudado um pouco nisso!
Bjos!!!

Jean Borges

01/03/2011

Acho que sou dado (ui!) demais, então realmente não sei como ajudar :/. É porque sempre fui assim, sociável, comunicativo e tal.

Mas ainda tenho problemas pra chegar nos caras, olha que engraçado.

Tem algum curso pra isso não?

Gui

01/03/2011

Eu também sou extremamente tímido, fui conversar mais na facul depois de 2 anos e meio de curso. Na academia somente oi msm. Mas tem uma coisa se eu beber ai a coisa muda para o outro extremo, ja falo c tudo e todos, sem contar q me solto mais em tudo meio q parecido c Raj de TBBT. Queria eu ser mais extrovertido, mas como vc msm disse tem algo q bloqueia, ate p falar e mais dificil quase nem voz sai.
No entanto venho tentando mudar isso, sem mto progresso.

Luiz

01/03/2011

Eu sou exatamente como você. Quando estou com as pessoas mais chegadas, eu falo até muita besteira, não tenho vergonha. Quando estou em um ambiente novo (tipo a balada) eu travo totalmente, só que pior que você, existem ocasiões em que eu fico ali, andando de um lado para o outro, que nem um altista, olhando pra baixo (so faltava ficar balançando pra frente e pras traz).
Eu acho que isso é coisa da personalidade. E tem a questão da aceitação da imagem pessoal. Por exemplo, apesar de você ter uma imagem muito atrativa, você ainda tem aquelas neuroses de que as pessoas tem receio de falar com você porque você é Japonês. No meu caso, o mesmo acontece, só é porque eu sou gordinho… Enfim, essas coisas só Freud consegue explicar… hahahahaha

Um beijo, SG… Até o próximo

Júlio César Vanelis

01/03/2011

Com o tempo tu vai perdendo a timidez…
Em certas partes eu tbm sou fechado, fico na minha, causando impressão de chato, metido, mas na realidade raramente meço esforços para iniciar uma amizade, ao menos que a iniciativa parte dos outros(grd defeito meu)…
Forte abraço!

Ro Fers

01/03/2011

vc se surpreende qndo sua timidez aparece com pessoas desconhecidas? isso não é a forma mais comum de timidez?

FOXX

01/03/2011

Isso é pressuposto da timidez. O que me surpreende é a minha aparente bipolaridade psicológica, nas distintas situações.

SG

01/03/2011