/SOUGAY

/SOUGAY

Gay. Post por post.

You can scroll the shelf using and keys

Mudanças.

18/04/2011

Peço paciência a você, leitor, pelo texto um tanto… grandinho demais. Mas é que não deu para economizar palavras para descrever tantas mudanças.

Pois é. Chega a ser assustador. Mas, ao mesmo tempo, entusiasmante. Sempre imaginei quando esse dia chegaria. Mas nunca tinha imaginado que seria assim, de modo tão surpreendente. E para algo tão radicalmente diferente.

Minha formatura aconteceu no final de janeiro deste ano. Estamos agora indo para o final de abril e, tcharâm, consegui um emprego, sairei da casa dos meus pais e trocarei o tranquilo interior paranaense pela mais caótica e maluca cidade da América Latina. Isso mesmo. Serei mais um dentre os 12 milhões de pessoas que moram em Sampa.

Nem estou acreditando que isso esteja acontecendo. Quando aquela série especial do Fantástico, chamada “Meu Primeiro Emprego”, começava a passar aos domingos, estava também iniciando todo o processo de seleção para a vaga de trainee ao qual me inscrevi. E tomava nota dos conselhos de Max Gheringer com afinco e com aquela sensação de frio na barriga, tendo em vista os meus fracassos anteriores. Ouvir a palavra “Dinâmica de Grupo” fazia meu estômago tremer.

E, veja só, nem me passava pela cabeça fazer esse programa de trainee. No início do ano, me inscrevi, porque era numa área que me interessava. Mas, por acreditar que não teria chance alguma, e por estar me preparando para um concurso público na capital sul-matogrossense, nem fiz as provas teóricas online. Mas eis que, certo dia, abro meu e-mail e vejo uma mensagem: prazo para realização das provas online prorrogado. “Nossa! E o prazo termina justo hoje!” – pensei. Resolvi fazer. Só por fazer. 20 questões de conhecimentos gerais, outras duas dezenas de inglês, e mais 20 de raciocínio lógico.

Fui para Campo Grande, prestar o concurso. Me inscrevi em outro, aqui em Maringá. E tentei estudar com afinco. Mas não conseguia. Faltava-me motivação. Brilho nos olhos. Vislumbre de algo que me fizesse feliz e realizado. Fiquei muito deprimido durante esses dias. Gastava horas e horas a fio no computador. E meus pais me pressionando para arranjar algo para fazer: um emprego qualquer, ou um curso para a OAB, ou então uma quarta língua.

Então, outro e-mail: “Parabéns! Você foi aprovado na etapa das provas online! Convidamos você para participar da Dinâmica de Grupo, a ser realizada no dia XX, às XX:XX horas, no endereço que segue abaixo. Contamos com sua presença. Boa sorte!”

Não estava seguro com meu desempenho na prova do concurso que tinha acabado de prestar. Estava me sentindo um imprestável, em casa. E não tinha vontade alguma de fazer algo na minha área. Não queria ver meu Vade Mecum por nada nesse mundo. Só de olhar minha estante, repleta de grossos livros jurídicos, me batia uma sensação de repúdio e culpa, concomitantemente.

De última hora, resolvi ir pra São Paulo, participar da tão temida Dinâmica de Grupo.

Fui aprovado para a próxima fase.

E aí, as coisas começaram a mudar de cor.

Passei a acreditar um pouco mais em mim. E a perseguir meus verdadeiros sonhos. Consegui esquecer um pouco o fardo de ter cursado uma faculdade com a qual não me identifiquei. E vi que havia a possibilidade de eu perfilhar um caminho que pudesse me fazer mais feliz e realizado. Estava, finalmente, recuperando minha auto-estima.

Fiz tranquilamente a prova oral de inglês e fui aprovado nessa fase também. Por conseguinte, fui para o Painel (outra dinâmica, só que mais difícil) mais confiante e decidido a conseguir aquela vaga. Preparei caprichosamente uma boa apresentação no Power Point. Ensaiei a exposição das informações. Busquei informações da empresa. Fiz um pedido, via internet, do relatório anual da companhia, direto da matriz, em Munique, Alemanha. Vesti minha melhor camisa, a gravata mais bonita, o melhor sapato e o melhor terno. Catei meu notebook e minha mochila e fui para a sede da empresa, enfrentar a pressão de ser avaliado por gestores e pelo pessoal do RH.

O dia seria assim: de manhã, o Painel. Depois, um almoço no refeitório da empresa. E, à tarde, a entrevista final com o diretor. Estava preparado psicologicamente para voltar pra casa, logo depois do almoço (sem almoçar). Mas estava despreparado para ficar lá. E foi o que aconteceu.

Fui aprovado para a entrevista com o diretor.

Nem acreditei. Me senti no paredão do Big Brother, por mais brega que isso possa parecer. Os candidatos saindo um por um. Uma demora enorme. E, quando restaram sete concorrentes, a grata notícia: “Bom, então, vocês que restaram aqui nesta sala, estão aprovados para as entrevistas! Parabéns!” Pois bem. Sete candidatos. No início, eram 6 mil, de todo o Brasil. A análise curricular e as provas online já descartaram 5.800 candidatos. Dos 200 restantes, apenas 30 foram classificados para a etapa da prova oral de inglês. E, no painel, na área pela qual estava concorrendo, éramos 11 candidatos. E agora, restavam apenas sete.

Fui tenso, mas confiante, para a entrevista com o cacique da tribo. Com o manda-chuvas. Com o “the man”. Último andar do moderno e curvilíneo edifício. Escritórios contemporâneos, muito bem decorados, com utilização de muito vidro e aço. Via-se a pujança do poder hierárquico. Estava, mesmo que por 15 minutos, no topo da companhia (literalmente falando).

Fiz a entrevista, com a promessa de ter o retorno três dias depois.

Chegado o dia tão esperado, lá pela uma e meia da tarde, o telefone de casa toca.

“Olá, SG. Boa tarde. Aqui é a Fulana, da X Recrutamentos. Como já havia sido dito, prometemos dar-lhe o retorno sobre o processo de seleção da Empresa Y no dia de hoje, seja positivo, seja negativo, e… (ouço um celular tocando) espere um pouco…”

Clássica interrupção que só aumenta a ansiedade. Estava de dedos cruzados e com os olhos fechados.

“Oi. Perdão pela interrupção. Então. E a notícia que tenho a te dar… irá te deixar muito feliz. Você foi aprovado no processo de seleção e, a partir de agora, pode se considerar como o mais novo trainee da Empresa Y!”

Ouvi as informações básicas. Agradeci os parabéns. Desliguei o telefone.

E gritei. Gritei. O mais alto que pude. “Isso! Isso! Isso!”

Todo o esforço, não só das semanas anteriores, nas viagens cansativas para São Paulo. Mas todo o esforço que tive para me formar. E toda a minha história, desde quando criança, época em que comecei a criar gosto pela indústria automotiva. Finalmente, via algo recompensador a tudo isso. Finalmente, estava tomando um rumo agradável para a minha vida. Desafiador, tenho de admitir. Mas, sobretudo, agradável.

Pois bem, meu amigo. É com este longo texto que, com muita felicidade e esperança, inicio uma nova fase em minha humilde vida. Só tenho a agradecer a Deus e aos meus antepassados, que, seguramente, iluminaram o meu caminho. E aos meus pais que, mesmo botando os pés pelas mãos algumas vezes, sempre quiseram o meu bem. E me permitiram aproveitar essa oportunidade profissional, dando-me todo o apoio financeiro para as viagens.

E agradeço também a você, que lê o blog. Porque é você quem dá a razão de existir para este espaço. E eu, sem este espaço, não teria forças para continuar lutando. Afinal, este blog tem sido minha terapia diária, que ajudou a evitar que eu sucumbisse às adversidades cotidianas.

Obrigado. Muito obrigado.

Escrevo estas linhas num domingo à noite. Passou o último episódio da série “Meu Primeiro Emprego”. E, para minha grata felicidade, eu também tinha arrumado o meu.

Não disse que 2011 prometia?

Advertisements

Nem pense em sair daqui, sem comentar!

Please keep your comments polite and on-topic.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

comments

Cara, te dizer que não me aguento de felicidade por você. Parabéns mil vezes!!

E boa sorte vivendo em SP!

beijão

Gui

18/04/2011

Brigadão, Gui! Agora, vou poder dar umas escapadas para o Rio!

Beijão!

SG

18/04/2011

Parabéns querido! Tenho certeza que a Blogaysfera vibrou junto com vc por essa conquista! Abração!

Jean Borges

18/04/2011

Valeu, Jean!

Abraço apertado!

SG

18/04/2011

Temos que marcar um encontro de blogueiros em SP pra te dar as boas vindas, hehehe

Parabéns, novamente, e boa sorte, o/

Bjo e abraço

Jovem Urso

18/04/2011

Nossa! Eu adoraria conhecer outros blogueiros! Estou devendo também uma visita ao Rio de Janeiro!

Obrigado pela força! Beijo!

SG

18/04/2011

Parabéns! Muito sucesso para você nesse novo capítulo de sua vida!

beijo

leo

18/04/2011

Obrigado! Não será o último, mas tem sido um dos mais marcantes capítulos da minha vida!

Beijão!

SG

18/04/2011

Uhuu parabéns SG!!!!! Agora você pode curtir as baladas de SP (rs). Olha eu querendo te levar pro mau caminho rs.

Rodolfo Gaspar

18/04/2011

Ah, esse blog aqui tá uma fonte de felicidade! Q maravilha!

Sou mais um a engrossar o coro dos que estão muito felizes por vc!

Parabéns, SG!

in.Constante

18/04/2011

SG,

Que legal … Fico mto feliz pela sua aprovação como trainee. Q esse seja o princípio de uma carreira de mto sucesso … Ainda me lembro do primeiro post q li aqui. vc super apreensivo com o fim da faculdade … Q Super q o final está mais q feliz …

BSvoxx

19/04/2011

Nossa, é verdade! Me deu vontade de fazer um flashback, agora!

SG

19/04/2011