/SOUGAY

/SOUGAY

Gay. Post por post.

You can scroll the shelf using and keys

Solitário. Mesmo.

03/11/2013

Antigamente, eu lidava muito bem com solidão. Era algo muito natural pra mim, uma condição da qual não fugia, tampouco reclamava. Aceitava-a sofrendo, como qualquer pessoa, porém não chegava ao ponto de ficar extremamente triste com isso.

A solidão que eu sentia era o que chamo de “solidão acompanhada”. O sentimento de isolamento era real, porém eu estava cercado de pessoas. Estas não interferiam na minha vida, a ponto de quebrar a barreira isoladora que havia em mim, porém contribuíam para a minha indiferença à solitude.

Hoje, após ter findado um relacionamento intenso de mais de dois anos, em uma cidade como São Paulo, longe da minha família, a existência de pessoas fora da barreira isoladora já não é mais suficiente para manter minha indiferença velada.

Agora, essa solidão me machuca profundamente.

Cometi muitos erros, tudo em função do desejo de suprir vontades egoístas e querer ser o mais inofensivo possível. No entanto, algumas coisas fugiram do meu controle, e o que no início era para ser algo inócuo, acabou sendo ainda mais danoso. Para ambas as partes.

Havia prometido não mencionar minha relação aqui, porém, se tenho este blog para contar sobre a minha vida, não poderia deixar de fazer essa menção, vez que minha vida ainda contempla dois anos e alguns meses que se passaram ao lado de alguém importante.

Desconheço o que será do futuro. Não tenho certeza se, em pouco ou muito tempo, esta dor que passou a latejar mais forte será aplacada. Tampouco sei sobre o modo com que ela será mitigada. O que posso dizer, no momento, é que reconheço sua existência, e a aceito, sim. Mesmo que reclamando. Aceito, dor, que você exista.

Leve o tempo que precisar, irei acabar com você.

Advertisements

Nem pense em sair daqui, sem comentar!

Please keep your comments polite and on-topic.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

comments

Ê…

Garoto! Quero vê-lo assim, não…
Acredite, por maior que seja a dor, você é muito melhor que qualquer erro, ou qualquer atitude que tenha cometido nesta vida.

Você é único.

Conte comigo! Sempre!

Will
Belém-PA

Will

03/11/2013

Isso me lembra um ditado que eu li uma vez, em um livro: pra gente saber se e’ infeliz, e’ preciso, pelo menos, ter sido feliz. Nunca vi frase mais verdadeira. Nada e’ pior do que perder amigos e amantes, seja pela separação, seja pela morte. Nunca tive um namorado, mas já perdi vários amigos, que eu pensava que sempre estariam comigo, por causa de erros que cometi. Palavras mal ditas, ações no calor do momento, que só causaram tristeza e decepção. Até hoje imagino como seria minha vida se eu tivesse feito tudo certo, me prendendo ao passado e permitindo que eu sofra até hoje. E e’ justo nas horas que estou com alguém, nem que seja um estranho, que estes pensamentos deixam de vir a minha cabeça.

Mas a vida segue enfrente, não para e não volta. Todo mundo que passou por ela de uma forma positiva merece respeito, e boas recordações. Mas isso não quer dizer que eles não sejam passado. Esquecer, nunca, superar, sim. SG, vc precisa se focar no que deu certo no relacionamento, se lembrar da felicidade que vc teve nele e acreditar que pode repetir, e até melhorar, com o próximo. Vc e’ jovem, tem muito o que viver e aprender pela frente, e não foi vinicius de moraes quem escreveu “que seja infinito enquanto dure?” O amor não foi feito pra durar eternamente, e mesmo aqueles velhinhos casados há um século podem não sentir o mesmo que sentiam quando se conheceram. Mas o que importa e’ viver o momento.

Antes que você me diga que eu não sei oq estou falando, e q n vai conseguir superar isso, vou lhe contar uma coisa: SG, vc e’ um dos maiores exemplos de superação que eu já conheci na vida. A vida que vc vivia aos vinte anos e’ muito diferente da de agora, e vc conseguiu namorar, transar, ser feliz, se divertir. E não foi o universo que “deu” estas coisas para você, por sorte. Foi você mesmo que conquistou isso, ao se abrir para o mundo. Se tivesse ficado em casa, reclamando da vida, nunca teria sequer namorado. Estou errado? Esta foi minha vida durante muito tempo, e aliás, ainda e’.

Nunca vi o seu rosto, mas quero que você saiba que, para mim, você é belo. Belo e inteligente. Pessoas que passaram por muito menos problemas venceram menos obstáculos do que você venceu. E se um dia te conhecer, quero muito, muito mesmo, te dar um bom abraço, e dizer que nunca estará sozinho.

Enquanto este blog estiver aqui, pode ter certeza: sozinho vc n esta. Só me arrependo de n ter falado isto antes.

Gabriel

13/11/2013

Gabriel…

Estou sem palavras para descrever o quanto me fizeram bem suas palavras.

Só tenho que agradecer.

Obrigado.

SG

06/12/2013

linda reflexão sobre a solidão, profunda! e sobre o processo de encara-la, sei que nao deve estar sendo facil ! abraços!

pai gay

05/12/2013